fbpx
Pular para o conteúdo
Opção Dinheiro

Repescagem para quem perdeu consulta do Sistema Valores a Receber começa neste sábado (12)

O banco central iniciará sua primeira Repescagem para quem perdeu consulta do Sistema Valores a Receber para brasileiros nascidos antes de 1968 que perderam a data prevista de recuperação de fundos esquecidos em bancos ou outras instituições financeiras, a partir deste sábado (12).

No sistema mostra que, com base nas apurações do relatório sobre dois casos sem data inicial, os pedidos de transferência podem ser feitos das 4h deste sábado até a meia-noite de domingo (13). No total, 28 milhões de CPF e CNPJ têm algum valor de reciclagem.

A emissão total na primeira fase é de aproximadamente R$ 4 bilhões. De segunda (14) a sexta (18) brasileiros nascidos entre 1968 e 1983 poderão saber no sistema o valor que devem receber e solicitar a transferência. Caso a data previamente acertada pelo banco central seja perdida, o grupo fará a repescagem no próximo sábado (19). O calendário é avançado com base na data de nascimento ou na data de abertura da empresa.

+Artigos

 

Datas

Os nascidos após 1983 terão o dinheiro liberado entre os dias 21 e 25 de março, com repescagem em 26 de março.

O resgate é feito no dia e na hora marcados pelo Banco Central na consulta ao Sistema de Valores a Receber. É importante ficar atento ao horário para fazer o pedido de transferência fornecido na primeira consulta, que pode ser das 4h às 14h e das 14h às 24h.

Quem perder o agendamento e a repescagem poderá consultar ou solicitar os valores a partir de 28 de março. Segundo o Banco Central, o cidadão receberá um novo agendamento e não perderá o direito sobre os Valores a Receber, que ficam guardados nas instituições financeiras até que sejam resgatados.

Os valores liberados nesta primeira fase são referentes a dinheiro de contas-correntes ou poupanças que foram encerradas ainda com saldo disponível; tarifas e parcelas cobradas indevidamente cuja devolução já estava prevista em termo de compromisso assinado com o BC; dinheiro de consórcios encerrados; e cotas e sobras de quem participou de cooperativas de crédito.