fbpx
Pular para o conteúdo
Opção Dinheiro

Dinheiro esquecido: valor não resgatado é perdido?

O Banco Central divulgou no fim de março um calendário para o resgate de dinheiro esquecido em bancos pelo sistema de Valores a Receber (SVR). Mas, caso o usuário tenha valores para retirar e não pedir, o que acontece?

Veja também: 

Segundo informações divulgadas pelo UOL, esse recurso será mantido para o cidadãos nas instituições por tempo indeterminado até que o dono peça o resgate. O tempo para pedir foi apenas uma forma de organizar a demanda, mas não faz com que perca caso “esqueça” novamente.

Valores a receber: Na primeira fase, pessoas devem resgatar em média R$ 139

O Banco Central (BC) informou que das 32,4 milhões de contas de pessoas físicas com valores a receber, 13,8 milhões terão menos de R$ 1. No momento, as pesquisas estão suspensas.

O Sistema de Valores a Receber (SVR), que permite a consulta e saque desses valores, tem decepcionado muitas pessoas que esperavam dar a sorte grande e encontrar um bom dinheiro inesperado.

Mas, novamente, na segunda etapa de consulta dos valores a receber, iniciada em março, há grande decepção: há muitos casos de pessoas que terão direito a centavos, ou poucos reais.

Dos 32,3 milhões, apenas 1.318 tem mais de R$ 100 mil para recuperar no sistema. Outros 36 mil tem entre R$ 10 mil e R$ 100 mil e 364,8 mil tem entre R$ 1.000 e R$ 10 mil.

Os recursos podem ter sido esquecidos em contas-correntes ou poupança encerradas com saldo disponível; tarifas e parcelas ou obrigações relativas a operações de crédito cobradas indevidamente, desde que a devolução esteja prevista em Termo de Compromisso assinado pelo banco com o Banco Central; cotas de capital e rateio de sobras líquidas de beneficiários e participantes de cooperativas de crédito; e recursos não procurados relativos a grupos de consórcio encerrados.

O grosso das 32,3 milhões de contas de 27,3 milhões de CPFs tem pouco dinheiro a receber.

No levantamento do BC, 2,7 milhões de pessoas tem entre R$ 100 e R$ 1.000. Mais 6,6 milhões tem entre R$ 10 e R$ 100 e outros R$ 8,7 milhões tem entre R$ 1 e R$ 10.

O Banco Central não informou os valores máximos e mínimos que as pessoas têm direito a receber, mas há muitos casos, por exemplo, apenas R$ 0,01. Muito desistiram de sacar este dinheiro, deixando o montante para lá.

Quando começou a funcionar, em fevereiro, o número inesperado de acessos ao SVR derrubou o site do Banco Central. Depois de reestabelecido em um novo endereço (https://valoresareceber.bcb.gov.br/), a devolução passou a ser feita de maneira escalonada. Nesta segunda-feira, o segundo lote começou a ser liberado. Brasileiros que nasceram entre 1968 e 1983 assim como empresas abertas neste período já podem resgatar os valores.